Dieta Alcalina é boa para a saúde? Mito ou Verdade?

Tempo de leitura: 6 minutos

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 LinkedIn 0 0 Flares ×

2016.08.19_água2Cada vez mais médicos e nutricionistas indicam que devemos comer alimentos mais naturais e mais alcalinos e devemos evitar alimentos ácidos e industrializados. Além disso, devemos tomar água alcalina.

Mas porque isto? Será que esta indicação faz sentido? Para respondermos estas perguntas precisamos entender um pouco de um assunto fundamental chamado PRAL, uma sigla em inglês que se refere à carga renal ácida de um alimento ou bebida.

O PRAL foi descrito por Remer e Manz em 1995, que conseguiram pela primeira vez calcular a carga ácida ou alcalina de um alimento comparando o consumo do mesmo com a medição do pH urinário. Desenvolveram assim um cálculo matemático que chamaram de PRAL. Este artigo sobre o PRAL foi publicado no Journal of American Diet Association, uma conceituada revista científica. Vários cientistas publicaram estudos posteriores com alimentos e pH urinário, confirmando e validando que o cálculo do PRAL é extremamente fidedigno para estimar o pH urinário e a carga ácida de um alimento. Portanto, o PRAL é amplamente usado no meio científico para determinar se a dieta está acidificando ou alcalinizando a urina.

E qual a importância de acidificar ou alcalinizar a urina? Mas porque o PRAL é tão importante para a nossa saúde?

Há muitos anos é conhecido que o nosso rim tem um capacidade limitada de eliminar ácidos do nosso organismo na urina. Cada vez mais os alimentos processados e industrializados, bem como o excesso de ingestão de proteínas sulfurosas, têm feito com que a nossa alimentação seja mais ácida. Mais adiante entenderemos através da análise de estudos científicos, como esta associação da capacidade limitada de eliminar ácido pelo rim com o excesso de alimentos ácidos (com PRAL positivo) acaba levando a doenças. Portanto, o excesso de carga ácida na dieta, ou seja dieta com PRAL positivo está associado a doenças, enquanto que dietas alcalinas com PRAL negativa nos protege de diversas doenças crônicas.

Mas como é feito este cálculo? O cálculo do PRAL leva em conta as proteínas e seu conteúdo de enxofre (que vira ácido sulfuroso no nosso organismo), bem como o conteúdo de fósforo (ácido fosfórico). Portanto, fósforo e enxofre são elementos que acidificam a urina.  Para completar o cálculo é avaliado o conteúdo de magnésio, cálcio e potássio do alimento, que são elementos que alcalinizam a urina.

Por enquanto precisamos entender que, quando ingerimos uma dieta com PRAL negativo, ou seja, uma dieta alcalina o nosso rim facilmente consegue manter uma urina com pH 7. Uma dieta com PRAL negativo, dieta alcalina, é considerada ideal para a saúde.

Conforme vamos ingerindo uma dieta mais ácida nosso rim vai acidificando a urina. Quando ingerimos uma dieta levemente ácida, ou seja, com PRAL levemente positivo, nosso rim acidifica até um pH de 5 e consegue eliminar todo o ácido ingerido. Quando conseguimos eliminar todo o ácido ingerido nosso organismo consegue se manter em equilíbrio (homeostasia).

Porém quando ingerimos uma dieta muito ácida, ou seja, com PRAL mais positivo, nosso rim não consegue eliminar toda a carga ácida, pois não consegue acidificar a urina abaixo do pH de 5 e começamos a acumular estes ácidos no nosso organismo. Estas dietas com PRAL positivo que estão relacionadas com diversas doenças crônicas.

Para manter o pH do sangue estável, quando ingerida uma dieta com PRAL positivo, nosso organismo começa a retirar minerais alcalinos de nossos ossos e das nossas células. Nossas reservas de cálcio e magnésio (minerais alcalinos) caem, o que afeta de maneira negativa o funcionamento de todo nosso corpo.

No longo prazo isto vai ter o seu preço. Nos últimos anos foi publicada uma série de artigos científicos demonstrando que a ingestão no longo prazo de alimentos e bebidas com PRAL positivo (alimentação ácida) estão relacionados com diversas doenças, como osteoporose, diabetes, obesidade, fígado gorduroso, cálculo renal, doença cardíaca, entre outras doenças. Entenda também porque a alimentação alcalina gera tanta polêmica no meio de profissionais de saúde se já há uma documentação científica ampla sobre o assunto. 

Referências Bibliográficas

1. REMER T, MANZ F. Potencial renal acid load of foods and its influence on urine pH. Journal of the American Dietetic Association 1995; 95: 791-97.

2. PIZZORNO J, FRASSETO LA, KATZINGER J. Diet Induced Acidosis: is it real and clinically relevant? British Journal of Nutrition 2010; 103, 1185-1194.

3. WELCH AA, BINGHAM SA, REEVE J, KHAW KT. More acidic dietary acid-base load is associated with reduced calcaneal broadband ultrasound attenuation in women but not in men: results from the EPIC-Norfolk cohort study. Am J Clin Nutr 2007;85:1134–41.

4. WYNN E, KRIEG MA, AESCHLIMANN JM, BURCKHARDT P. Alkaline mineral water lowers bone resorption even in calcium sufficiency: Alkaline mineral water and bone metabolism. Bone 2009; 44, 120-24.

5. MANGANO KM, WALSH SJ, KENNY AM, INSOGNA KL, KERSTETTER JE. Dietary acid load is associated with lower bone mineral density in men with low intake of dietary calcium. J Bone Miner Res. 2014 February ; 29(2): 500–506

6. WILLIAMS RS, KOZAN P, SAMOCHA-BONET D. The role of dietary acid load and mild metabolic acidosis in insulin resistance in humans. Biochimie 2015; 1-7.

7. WILLIAMS RS, HEILBRONN LK, CHEN DL, COSTER ACF, GREENFIELD JR, SAMOCHA-BONET D. Clinical Nutrition 2015; 1-7.

8. AKTER S, EGUCHI M, KUWAHARA K, KOCHI T, ITO R, KUROTANI K, TSURUOKA H, NANRI A, KABE I, MIZOUE T. High dietary acid load is associated with insuline resistance: The Furokawa Nutrition and Health Study. Clinical Nutrition 2015; 8-15.

9. FAGHERAZZI, G, VILIER A, BONNET F, LAJOUS M, BALKAU B, BOUTRON-ROUALT MC, CLAVEL-CHAPELON F. Dietary acid load and risk of type 2 diabetes: the E3N-EPIC cohort study. Diabetologia (2014) 57:313–320.

10. CHAN R, WONG WS, CHU WCW et all. Higher Estimated Net Endogenous Acid production May Be Associated with Increased Prevalence of Nonalcoholic Fatty Liver Disease in Chinese Adults in Hong Kong. Plos One 2015 April 1-12.

11. KRUPP D, JOHNER SA, KALLHOFF h. Long-Term Dietary Potential Renal Acid Load During Adolescence Is Prospectively Associated with Indices of Nonalcoholic Fatty Liver Disease in Young Women. J. Nutr. 142: 313–319, 2012.

12. VEZZOLI G, DOGLIOTTI E, et all. Dietary style and acid load in an Italian population of calcium kidney stone formers. Nutrition, Metabolism & Cardiovascular Disease 2015; 25, 588-593.

13. TRINCHIERI A, LIZZANO R. Effect of potential renal acid load of foods on urinary citrate excretion in calcium renal stone formers. Urol Res (2006) 34: 1–7

14. MURAKAMI K, SASAKI S, TAKAHASHI Y et all. Association between dietary acid–base load and cardiometabolic risk factors in young Japanese women. British Journal of Nutrition (2008), 100, 642–651.

15. BAHADORAN Z, MIRMIRAN P, KHOSRAVI H. Associations between Dietary Acid-Base Load and Cardiometabolic Risk Factors in Adults: The Tehran Lipid and Glucose Study. Endocrinol Metab 2015; 30: 201-207.

16. HAGHIGHATDOOST F, NAJAFABADI MM, et all. Association of dietary acid load with cardiovascular disease risk factors in patients with diabetic nephropathy. Nutrition 31; 697-702.

17. KRUPP D, SHI L, et all. 11b Hydroxysteroid dehydrogenase type 2 and dietary acid load are independently associated with blood pressure in healthy children and adolescentes. Am J Clin Nutr 2013;97:612–20.

19 Comentários


    1. Olá Alzenete, será um prazer lhe atender e passar mais informações. Por gentileza, verifique seu e-mail que nosso Consultor irá entrar em contato.

      Responder

  1. Muitos falam que para emagrecer é apenas necessario fazer exercicios. Porem é comprovado que apenas exercicio não é eficaz, a dieta vem em primeiro lugar! Clique no meu nome para ver algumas dicas de reeducação alimentar!

    Responder

  2. olá gostei do canal e fiquei bem curioso pois estou iniciando meu blog também na área abraços.

    Responder

    1. Olá Alex, ficamos felizes pelo seu interesse. Esperamos que o Acqualive ainda faça parte de sua vida. Estamos à disposição através do 08006056501.

      Responder

    1. Olá Carla, que alegria para nossa empresa receber este seu comentário e poder contribuir de forma saudável para sua vida. Estamos à disposição!

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>